31 de março de 2011

AMARGURADA...


Amargurada pelo sofrimento

Minha vida nada tem

Apenas vou vivendo

Sem ser filha de niguém...


Algures uma voz soa...

Que diz...? que quer...?

Não a quero mais ouvir

Apenas quero quem me quer...


Do meu ventre saiu...

Com todo o amor pensei...

Tudo vou dar...

A quem mais amei


Mas um brado terrível...

Em meus ouvidos soa

"Nada se pode fazer " quando a alma não perdoa.


E...a amargura do desprezo

De quem tanto se ama

Se perdoa...amamos... mas...

Nos deita por terra, nos atira na lama.


SOL

2 comentários:

Aguia livre / Aigle Libre disse...

Texte muinto lindo...Adoro

tecas disse...

«Do meu ventre saiu...
Com todo o amor pensei...
Tudo vou dar...
A quem mais amei»
Belíssimo poema de amargura, dor e desencanto...palavras onde se revolvem sentimentos e emoção.
Gostei de conhecer o seu blog, querida Lua.
Cheguei a ele por uma amiga.
Bjito e uma flor